Arquivos Digital - Página 3 de 5 -

Facebook: usuário agora curte músicas em páginas pelo botão “ouvir”

O Facebook anunciou, ontem, que os usuários agora poderão ouvir as músicas de suas bandas e artistas preferidos através da rede social.

O que torna isso possível são os serviços de música, entre eles Spotify (do eterno conselheiro de Mark Zuckerberg, Sean Parker) e, aqui no Brasil, o OiRdio.

facebook

Na página, o novo botão fica próximo ao “Curtir” e ao “Mensagem” e, ao ser clicado, direciona o usuário ao serviço de música via streaming e a uma lista das mais famosas canções de cada artista. Igualmente ao que ocorre com os aplicativos, na primeira vez que você clicar o serviço irá lhe pedir permissão para concessão de acesso.

Enquanto você estiver na playlist, sua timeline será atualizada com as músicas que você ouve, simultaneamente! E seus amigos terão a possibilidade de curtir, comentar e compartilhar…

Com informações do site Mashable.

 .

.

.
Felipe A Pereira
Administrador de Empresas e fundador da Intermidia Brasil.
Converse comigo no Twitter, no Facebook e no Google+!

 

Dicas para destruir a reputação da sua marca nas redes sociais

Uma pesquisa feita pela consultoria KPMG em dez países indicou que 70% das empresas ao redor do mundo têm presença nas redes sociais. E essa tendência é liderada pelos países emergentes: Brasil, China e Índia, onde as empresas recorrem mais a esses canais para fazer negócios. E muitas dessas empresas (muitas mesmo) aqui no Brasil não sabem se portar nas redes sociais.

Pensando nisso elaboramos um guia prático para agilizar o processo de destruição da reputação da sua marca nas redes sociais. Isso mesmo, aqui você aprenderá em 5 passos como fazer sua marca servir de péssimo exemplo nas pesquisas e cair no conceito do público!

 marca nas redes sociais

Passo 1 – Crie um perfil pessoal em todas as redes sociais usando sua marca

Todos estão fazendo isso e você não pode ficar de fora da revolução das mídias sociais! Você não deve ser muito experiente neste meio (o digital), mas com certeza não há nada que os outros estejam fazendo que você também não possa fazer, não é mesmo? Sem nenhum estudo de caso, planejamento ou estratégia de atuação, crie um perfil com a sua marca em cada uma das redes sociais do momento, Facebook, Twitter, Pinterest, Youtube, LinkedIn e o que mais julgar necessário.

Fan Page no Facebook? Para quê, se com um perfil pessoal minha marca pode ‘adicionar pessoas’ e interagir muito mais com os “amigos”?

 

Passo 2 – Publique coisas do seu cotidiano e vida pessoal

Redes sociais servem para compartilhar coisas legais, não? Com isso em mente, publique nas suas redes toda piada, foto ou vídeo que você achar ou receber por e-mail. Use e abuse de gírias e abreviações. Coloque frases machistas (ou feministas), dependendo do seu gênero. Imagens de mulheres (ou homens) semi-nus(as) também conquistam o público.
Nunca se esqueça de escrever, nas  publicações, coisas do tipo: “kkkkkkkkkkkk” ou “rsrsrsrsrsrs”. Ou até mesmo algo com mais conteúdo como: “Essa é muito boa”, “Vídeo muito bom”. – A sua imaginação é o limite!
Também faça check-in em todo e qualquer lugar que você visitar, sua casa, casa da sogra, do cunhado, buteco da esquina, supermercado… E não se esqueça de ativar o recurso de compartilhar no twitter e facebook. 😉

 

Passo 3 – Promova sua marca constantemente com seus produtos

Sempre que publicar alguma coisa, não se esqueça de promover sua marca com muitas propagandas anunciando seus produtos e serviços constantemente. Faça do seu Twitter, Facebook e demais mídias sociais verdadeiros canais de venda! Poste produtos sem parar, diariamente! Quem precisa de site quando se tem as redes sociais para ficar anunciando?

 

Passo 4 – Não leve desaforo para casa

Algum cliente insatisfeito falou mal do seu produto ou serviço nas redes sociais? Responda à altura, não leve desaforo pra casa. Afinal quem melhor do que você para saber o quão bom é seu produto ou serviço?

 

Passo 5 – Não faça nenhum tipo de monitoramento

Agora que você já sabe como trabalhar sua marca nas redes sociais, já deve estar mantendo certa “rotina” nas atividades. Faça o seguinte: não monitore, não ouça seus clientes, demore ou não responda dúvidas frequentes, não busque saber suas preferências, faixa etária, comportamento, formas de comunicação ou se tem algum influenciador, nem nada disso.
Depois de ter construído um público por certo tempo, chegou a hora de dar um tempo para as redes sociais, agora é a vez dos usuários divulgarem seus produtos e serviços. Pela qualidade da sua atuação nas redes sociais, pela contribuição que você fez diariamente para melhorar, mesmo que um pouquinho só, a vida de sua audiência, eles agora com certeza irão espalhar o nome da sua marca para além das fronteiras digitais. Quem sabe sua marca não aparece na TV ou jornal sem que você tenha gasto um centavo sequer!?

Por Felipe Bing.

Insistência e excesso de propaganda afastam um terço dos internautas dos perfis corporativos

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos descobriu que 52% dos consumidores norte-americanos maiores de 16 anos já se escreveram para receber novidades, seguiram o perfil ou ainda “curtiram” a página de uma empresa. Mas, apesar do número alto, quase um terço desses internautas desiste de manter o contato.

O estudo, feito pela Research Revelation, empresa de marketing especializada em pesquisas, escutou 1.500 consumidores. Eles apontaram o excesso de posts, tweets ou e-mails e a insistência em fazê-los comprar como o maior  motivo para abandonar os perfis das empresas.

Muitos empreendedores investem em perfis de redes sociais por ser um meio fácil de manter contato com muitos consumidores de uma só vez, mas o exagero na hora de falar com os clientes pode fazer com que o investimento em vez de aproximá-los, os afastem definitivamente.

Muitos desses consumidores relataram que, depois de quebrar o vínculo virtual, eles transferem a insatisfação para as lojas físicas, deixando de frequentá-las e de comprar seus produtos. Também foram apontados como motivos para o afastamento a falta de ofertas especiais e de promoções e o pouco interesse em continuar sabendo das novidades da empresa.

 

Fonte: estadao.com.br

Porque seu marketing de conteúdo deve abordar preços

marketing de conteúdo deve abordar preços

Você abertamente divulga seus preços em seu site?

Sabemos que se procurarmos o bastante, nós eventualmente encontraremos o que estamos procurando. E isso inclui preços de qualquer produto ou serviço.
Apesar desta realidade muitos sites falham ao abordar algumas das questões mais primordiais que seus clientes e potenciais clientes tem, especialmente quando se trata de “preços”.

 

Mas porque debater preços online?

Recentemente, em uma conferência onde participavam cerca de 100 empresários, foi feita uma pergunta muito simples:

“Quantos de vocês aqui falam sobre preços e custos dos seus produtos e serviços no site de sua companhia?”

E adivinhem quantos levantaram a mão?
Se você respondeu “1”, acertou!

Apenas 1 pessoa de 100, expõe preços em seu site.
Porém aqui vai outra estatística chocante – Quando foi perguntada a este mesmo grupo de empresários, qual a porcentagem de seus clientes que perguntam preços e custos nos primeiros minutos de um contato/conversa, absolutamente todos levantaram a mão.

Surpresos? Claro que não. As pessoas gostam de saber quanto as coisas custam.

Apesar de tudo, a maioria das empresas ao redor do mundo decidiu deixar de lado a questão “preços” em seus sites, por uma variedade de motivos, o mais comum é o medo de perder um prospect antes dele sequer contatar a empresa.
E embora esta manobra tenha funcionado no marketing de 5 ou 10 anos atrás, posso dizer com certeza de que os clientes de hoje não gostam que suas perguntas  primordiais fiquem sem resposta. Além do mais, se você quer entrar de cabeça no marketing de conteúdo e na essência das mídias sociais, deve aprender a abordar cada ponto que o seu cliente pede a sua empresa.

Em outras palavras, se seu cliente esta pensando isso, você deve abordar.
Esta transparência, esta abordagem do senso comum é a essência do marketing moderno.

.

.

Fonte: Social Media Examiner