Nova política de privacidade do Google será investigada

Nova política de privacidade do Google será investigada

Na Europa, através de um órgão regulamentador de proteção de dados da França, a gigante Google terá sua nova política de privacidade investigada. Segundo o órgão, a Google não se conformava com as leis europeias no que diz respeito à proteção da privacidade dos usuários.

política de privacidade

Em carta enviada ao Google no dia 27, a CNIL (Comissão Nationale de l’Informatique et des Libertés) informou que levará à frente essa investigação, junto de outros reguladores europeus e irá remeter uma lista de questionamentos para a gigante das buscas norte-americana já em março.

Em janeiro a Google informou seus usuários (e mantém esses alertas até a data de hoje, pelo menos), que mudará sua política de privacidade, aplicando a todos os seus serviços, entre eles YouTube, Gmail e Google+.

A empresa passará a unificar todas as informações que captar dos seus usuários, seja ela no Gmail, Google+ ou qualquer um outro serviço, com a explicação de que, assim, tornará melhores os resultados de buscas e melhorará o serviço aos usuários. Saiba que suas informações do Gmail poderão servir de base para anunciantes lhe mostrarem produtos em outros serviços da Google. Se você quiser continuar utilizando os serviços Google, deverá se adaptar a essa mudança, não há como optar em não ceder os dados para os demais serviços.

De acordo com a Reuters, o regulador francês disse ao Google que “a CNIL e as autoridades da União Europeia estão profundamente preocupados com a combinação de dados pessoais entre serviços”, salientando que existem muitas dúvidas quanto à legalidade dessa mudança e sua conformidade com a legislação europeia que protege dados de usuários.

Ainda de acordo com a agência, essas mudanças entram em vigor no dia 01 de março e dois pedidos de reguladores europeus para atrasar essa vigência já teriam sido rejeitados pela gigante das buscas, que usou o seu blog para responder à carta da CNIL dizendo que está feliz em poder responder aos questionamentos das autoridades europeias. “Como já dissemos várias vezes durante a semana passada, nossas políticas de privacidade mudarão em 01 de março, e o nosso compromisso com os nossos princípios de privacidade está mais forte do que nunca”, escreveu a empresa.

Essa disputa aparece em um momento conturbado para a gigante das buscas, pois o seu modelo de negócios baseia-se em ganhar dinheiro vendendo publicidade segmentada por usuário aos seus anunciantes.

Há pouco tempo, a conduta da Google já foi colocada em questão, quando anunciou que passaria a dar preferência para sua rede social nos resultados das buscas. Ela classifica seus resultados de busca favorecendo seus próprios serviços sobre os rivais. Nesse caso, dando menos relevância ao conteúdo do Twitter, por exemplo, que é onde a informação torna-se disponível de forma mais rápida na internet.

Você sabia que, como usuário Google, pode solicitar que seus dados sejam todos apagados?

Bom, se serão, aí são outros 500…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =